JAZZ | LATINO-AMERICANA | AFRICANA | BRASILEIRA | WORLDMUSIC | DJ'S

CARTAZ PA 2018 WEB

TUDO PRONTO PARA A GRANDE FESTA DE PASSAGEM DE ANO DA CIDADE!

Lentamente, temos vindo a abandonar a nossa zona de desconforto. Lutámos em todas as frentes – penhoras, paraísos fiscais, reposição de direitos. E fomos reconquistando economicamente  o país. Não contávamos era com a adversidade das leis da natureza. O excesso de Fogo, a escassez de Água e o irreversível passar do Tempo nas carreiras congeladas dos funcionários públicos, mostram-nos que, para além das leis do Mercado ou das leis dos  Tribunais, um país também pode estar sujeito às leis da Física.

Temos que fazer de 2018 o ano da reconciliação, o ano da harmonia entre a força das coisas e a incerteza das vontades. E nada melhor do que vir antecipar  este novo ano no lugar mais irrequieto de Lisboa. Contra  as leis dos fogos e das secas, mas também contra as leis dos homens, sejamos anarquistas por um dia. E que ninguém fique para trás.

A diversidade de concertos e DJ's desta noite é a garantia disso. Os ritmos são muitos e variados: do jazz à musica electrónica, do Brasil a Cuba, passando pela música africana. Os concertos são ao vivo para nos fazer sentir vivos. Os Dj's garantem que os corpos não fogem à "irrequietude" do lugar até que as portas se fechem e 2018 tenha definitivamente entrado nas nossas vidas.

PREÇOS

55esgotado   35esgotado15          

 JANTAR + FESTA + CEIA = 65€FESTA + CEIA 35€  | FESTA = 15€

 

COMPRA DE BILHETES

 


NA FÁBRICA

Quarta e Quinta | 16h às 02h
Sexta | 16h às 04h
Sábado | 11h às 04h

Rua da Fábrica de Material de Guerra, nº1
1950-128 Lisboa

+++ INFO E RESERVAS: 968 599 969 | 965 518 068 | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

MENÚ PARA O CORPO

O jantar desta noite será em regime de buffet contínuo, com mesas marcadas, entre as 19h30 e as 22h30.
A partir das 22h00, as salas onde decorrerão os concertos começam a ser desmontadas para o formato de festa.

 

BUFFET PRINCIPAL

Pão Regado com Azeite Balsâmico e Oregãos

Tapenade de Azeitonas com Limão e Tomilho

Bolinhas de Alheira de Caça da Fábrica (as famosas...)

Hummus com Palitos de Cenoura e Aipo

Mini-Rolls de Salmão com Queijo de Ervas

Pataniscas de Polvo

Pataniscas de Chouriço ao Vinho Tinto

Pataniscas de Legumes com Farinha de Milho (sem glúten)

Cazuela de Frijoles à la Cubana

Bacalhau Cebolado com todos ao Queijo da Ilha

Quinoa com Legumes Caramelizados

SOBREMESAS

Pannacotta de Chocolate

Mousse de Manga com Raspas de Laranja

Doce de Leite com amendoim 

Bebidas: cerveja, vinho tinto e branco, refrigerantes e água)

A comida e a bebida serão à descrição durante o jantar.  
 
CEIA (01h da manhã)

Mix de cogumelos gratinados

Pão com Chouriço e Pastéis de Bacalhau (os insubstituíveis...)

(com uma bebida por pessoa - vinho, cerveja, refrigerantes, água) 

Para aqueles que passam a meia-noite connosco, estão garantidas as passas e o espumante para o brinde.


MENÚ PARA A ALMA

JÚLIO RESENDE

julioresende

Miguel Esteves Cardoso (in Público): Sou mais um a fazer o elogio de Júlio Resende. Será um pianista? Parece não só chegar mais longe como, não sei como, partir de mais perto do que os pianistas sem ponto de interrogação. Só os grandes pianistas conseguem fazer esquecer o instrumento, suspendendo-o em música pura. Júlio Resende conseguiu apanhar não só o fado e o fado da Amália como a própria Amália a cantar. Também Amália tocava muito mais do que o fado. Quando se tem tanta lata como Júlio Resende é preciso muito talento e muita inconsciência. A inconsciência é a coragem dos sobredotados: é tal o entusiasmo de fazer o inadmissível que não resta lugar para o medo. Claro que Júlio Resende não é a Amália em piano. A Amália em piano é uma coisa que não existe. O que ele faz é levar a Amália que traz dentro dele cá para fora, para o meio da gente, onde chega como música diferente que faz lembrar o prazer e a dor de ouvir Amália a cantar. Quando toca Júlio Resende não vai buscar nada à Amália, ao fado ou à música. Tudo isso já lá está dentro dele, sentido e desejado como só ele consegue. Não existem, milagrosamente, quaisquer escrúpulos estéticos ou cuidados de manutenção de fronteiras entre formas de música. Não há nem o vício estéril do purismo nem a promiscuidade dengosa da fusão. Não há homenagem. A música de Júlio Resende é um nascimento. Conhecemos os pais e a família mas sabemos já que não vai sair a ninguém. É aquilo com que se sonha sempre: uma música nova de uma só pessoa.

 

maria joão

MARIA JOÃO

Os OGRE são uma banda que cruza o jazz com a música electrónica, citando ainda outras influências. Este projecto da cantora Maria João inclui a participação de João Farinha nos teclados, Júlio Resende ao piano, Joel Silva na bateria e o músico electrónico André Nascimento (electrónica e teclados).
"Plástico (o-tone records) @ DER SPIEGEL "best new vocal jazz releases" "Maria João, Portugal's best known Jazz vocalist, has released a new CD with the band "Ogre". Instead of acoustic instruments, the quartet focuses on synthesizers, laptops and Electronics. Maria Joao's warm voice is an attractive contrast to OGRE's hybrid of jazz and electronic music. " - spigel.de

 

havana

 HAVANA WAY

Um trio cubano criada pelo pianista Victor Zamora. Quem melhor que um cubano pode fazer soar la Merengue ou a Salsa? Em comum, para além das suas origens, os músicos partilham o gosto pelos ritmos latinos - Cha-Cha-Cha , Bolero, Salsa, Merengue, Tango, Mambo, Cumbia , Son, Latin Jazz,Timba, Cumbias, Bachatas, entre outros e, são exactamente esses ritmos que o trio interpreta nos seus espectáculos. E não se limita só a estes ritmos principais… A voz e a secção rítmica trazem a alegria e a boa disposição que só os ritmos cubanos têm. Para ouvir e dançar!

 

 

 

yami

 YAMI ALOELELA AFRICAN QUARTET

É o exemplo vivo em como 4 diferentes correntes de músicos podem confluir e assim construírem o seu próprio som com espaço para a improvisação e cores de cada um e expressa também a mescla de culturas que habita em Lisboa! E assim assistimos a uma viagem entre a lusofonia a música anglo-saxonica e o jazz contemporâneo.

Yami Aloelela - voz e baixo
Victor Zamora - piano
Vicky Marques - bateria
Tiago Oliveira - guitarra

 

jandira

JANDIRA SILVA

Muito antes de ser adolescente, já a música invadia todos os dias a casa de Jandira Silva. Esta cantora, nascida no Rio de Janeiro e a viver em Macau há alguns anos, recorda a rádio logo pela manhã, as músicas que mostram um Brasil genuíno, com muito samba, música sertaneja. 
“As músicas que me tocavam mais eram aquelas que tinham a Elis Regina cantando. Tinha ali qualquer coisa que eu não sei explicar, o timbre, a forma de cantar, a maneira dela fazer. Na minha infância tocava na rádio Elis Regina, Elba Ramalho. Depois, durante a juventude, era Mariza Monte, Adriana Calcanhoto, por aí”.
Jandira Silva nunca quis ser outra coisa na vida. A paixão surgiu bem cedo. “Em criança eu falava que ia ser cantora, e ninguém me levava muito a sério, achavam que eu estava brincando. A cena da música começou desde que eu me conheço por gente. O meu pai, por sinal, cantava muito bem e tocava alguns instrumentos”. Depois de muita vida e muitos concertos pelo mundo, pára esta noite na Fábrica Braço de Prata, para um concerto de Ano Novo cheio de ritmos muito além dos brasileiros.

espirito nativoESPÍRITO NATIVO

Espirito Nativo (Lisboa, 2007) é um grupo de músicos coordenados por Jacqueline Mercado e Rui Meira, e que partilham a paixão pela música ibero-americana. Embora individualmente tenham origens, formação e influências muito variadas, o grupo demarca-se com sua própria sonoridade, resultado do conhecimento direto das realidades portuguesas e latino-americanas.
O Espirito Nativo faz-se com fios de cores, materiais e diversas texturas: a madeira do cajon peruano e passa pelo tambor argentino, o impulso dos cubanos com um toque de guitarra portuguesa e uma voz mexicana que, quando reunida, resulta em uma única peça. Disto resulta uma combinação deliciosa, em que estão presentes as vertentes mágicas da herança da música afro-peruana, mas também da música flamenga e portuguesa e do folclore latino-americano em geral, em que cada um dos seus membros contribui para enriquecer o trabalho. 

 

lusobaiãoLUSOBAIÃO

Luso Baião é uma banda que nasce da fusão de influências de dois países irmãos. O grupo formado por músicos brasileiros e portugueses, surgiu na cidade de Lisboa em março de 2013 com o intuito de dar primazia ao património musical entre Portugal e Brasil.
Nomes célebres da música brasileira como Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Jackson do Pandeiro e Gilberto Gil são as grandes influências do LusoBaião, porém releituras de cantores e instrumentistas portugueses como Sergio Godinho e Rão Kyao também se fazem presentes no repertório desta banda. Nas suas músicas, LusoBaião deixa claro seu toque de originalidade com fusões bem concebidas de ritmos presentes no Forró, como o Xote, Xaxado, Arrasta-pé e Baião rítmo que nasce do casamento entre o Fado e o Maracatu com pitadas de Reggae, Rock, Samba, Côco.
Luso Baião é formado por Cícero Mateus (vocal e guitarra), Betinho Mateus (vocal, triângulo e percussão), Enrique Matos (zabumba e coro), Everton Coroné (acordeon), Pedro Guimarães (Guitarra) e Jackson Azarias (Baixo).
Coleciona já a participação em festivais em Portugal como o Andanças (onde tocaram para cerca de 30 mil pessoas e receberam o título de “Banda Revelação”), Baião in Lisboa Festival, Festival Pé na Terra (Algarve), Festival Danças na Água, entre outros.
A banda esteve em tournée no Brasil e participou do Festival Nacional de Forró em Itaúnas - FENFIT 2014 obtendo o meritório 4º lugar e sagrando-se a primeira banda internacional a participar neste evento.

pela rua foraPELA RUA FORA

E assim começa uma história de liberdade: o projecto "Pela Rua Fora", formado pelo cantor e guitarrista Cláudio Alves e pelo harmonicista Gonçalo Sousa, explora um universo musical sem fronteiras onde a improvisação e o diálogo musical são pedras basilares! Começa na rua, e a viagem a que nos leva é sempre ao sabor do vento.
"Pela Rua Fora é uma construção sólida baseada no efémero, o assobio de um pássaro urbano feito espuma no passeio, maré de sonhos, baile de dedos, um canto à vida mais além do palco"
Uma brisa suave para um início de noite perfeito!

 

 

os compotasOS COMPOTAS

E é bem verdade que nesta passagem de ano ninguém vai ficar para trás!
Acabámos de confirmar a presença de OS COMPOTAS, que prometem "rebentar" de festa o final de noite por aqui!
Ora vejam:
"2012! Sete irmãos de mães diferentes foram encontrados ao largo da costa algarvia, flutuando dentro de um gigante frasco de compota. Afirmavam terem vindo de uma viagem no tempo.
Do Funk dos 70, para pregá-lo de novo!
As gentes apelidaram-nos de: Os Compotas.
Depois de 5 anos a prestar tributo aos clássicos dos guardiões do Funk, a multidão que acompanhou o crescer da banda com lealdade chora agora por compota original. As receitas estão a ser cozinhadas e algumas já podem ser degustadas ao vivo. É altura de procurar cada vez mais apóstolos e testemunhos desta missão imparável.
Afinal de contas, todos os limites do espaço são pequenos, quando a barreira do tempo foi quebrada.
A Nave Mãe está de partida, outra e outra vez. E o Funk, vivo em corpos de boa saúde.
Boa Saúde. Bom Ano-Novo. "

Ed Hoster (Edgar Valente) - voz principal + teclados
Sweet Paulie (Paulo Lourenço) - baixo
John Tuffo (João Aguiar) - guitarra 
Drum O'Corner (Fábio Cantinho) - bateria

& tha Horny Sexion 
Funk'a Clau (Cláudio Gomes) / - trompete
Raff'a Pipól (Rafael Pessoa) - saxofone

 

swing stationSWING STATION

Calling all Swing and Blues Dancers - NYE 2017/2018

Este ano celebramos novamente a passagem de ano na Fábrica do Braço de Prata e convidamos todos os nossos alunos, amigos e simpatizantes a vir dançar connosco!

A festa vai realizar-se entre as 23h e as 4h com muita muita animação em todas as salas da Fábrica. Ninguém fica para trás!

 

Let’s swing this NYE!

 

  

scarlatty novasGUIDA SCARLATTY

Nasce na decada de 1970, fruto do seu amor pelo Teatro e através de exibições esporádicas nas noites loucas da Lisboa da época, estreando-se no mundo do espectáculo com apenas 17 anos. Realiza-se como profissional na década de 70 inaugurando o "seu" Scarllaty Clube, o primeiro Café-Concerto oficial aberto em Portugal, onde se iniciaram sob sua direcção e responsabilidade, a formação dos actores de Travesti mais conhecidos no nosso país. É o primeiro palco onde o espectáculo de travesti ganha dignidade, dimensão e notoriedade como reconhecimento de arte de representar - reconhecidos pelo público em geral e pela crítica especializada. Ausente por terras do Brasil, regressa a Portugal em 2011, reaparecendo com estrondoso sucesso em 2012, e encabeçando o elenco da peça de Teatro musicado "Da Sé p'ró Cabaret, em 2014.
Residente na Fábrica há mais de um ano, não poderia ficar para trás nesta grande festa!!

 

 

joao gentilJOÃO GENTIL

Uma figura emblemática das nossas passagens de ano. Não poderia não estar!
João Gentil assume-se como um músico e acordeonista de índole sentimental, onde o acordeão flutua em melodias suaves e românticas. Afasta-se do virtuosismo e dos concursos de acordeão com os quais nunca se identificou, vivendo a música no seu coração e alma.
Apresenta um crescimento nos ultimos anos da sua carreira em clara forma exponencial, sendo convidado de inúmeros artistas de renome nacional e internacional e marcando presença nos melhores palcos em Portugal e no estrangeiro. João Gentil mudou a imagem do acordeão, transformando-a num instrumento doce, sentimental e capaz de exprimir do seu interior uma beleza melódica arrepiante.
Durante o seu percurso ja tocou com variados músicos do panorama nacional assim como internacional, como por exemplo Rui Veloso, Uxía (Galiza), António Zambujo, Vitorino, Viviane, Brigada Vitor Jara, André Sardet, Couple Coffee, Inês Santos, JP Simões, Rogério Charraz, Luiz Caracol, Pensão Flor & Orquestra Clássica do Centro, Gabi Buarque (Brasil), só para nomear alguns.

 

 

enrique matosDJ ENRIQUE MATOS

E porque festa de passagem de ano não é festa sem a música brasileira, pedimos ao Enrique que, depois do grande concerto de LusoBaião, continue a sua magia com ritmos de forró, xote, baião, xaxado, arrasta-pé e samba, para que a noite se mantenha frenética.

Ele aceitou, com a alegria que se pode ver na imagem!

Joomla! Hosting from