SÁBADO | 15 DE ABRIL 2017 - 21H00 

CABRASINOPSE: Martin é um arquitecto de sucesso, galardoado com prémios internacionais e propostas de trabalho extraordinárias. Vive com a mulher e o filho. Toda a sua vida foi um marido exemplar. Toda a sua vida foi um pai exemplar. Encontra-se no cume da exemplaridade quando conhece Sylvia, e a vida nunca mais será a mesma.
A Cabra, Ou Quem É Sylvia?, é definido por Edward Albee com o subtítulo «Notas para uma definição da tragédia» (τραγῳδία, que poderia ser traduzido por «canto do bode»). A cabra (goat – bode), símbolo do teatro clássico da Grécia Antiga, remete também para a influência de Diónisos no Homem: a liberdade natural despertada pela embriaguez, pelo êxtase, pelo desejo, ou pelo amor. Os vinte e quatro séculos que separam Rei Édipo de Albee permitem-nos reflectir sobre a organização da cidade e da sociedade em parâmetros semelhantes àqueles com que se discutia o papel de Diónisos em Tebas ou Atenas, em Bacantes, de Eurípides. O “erro trágico” de A Cabra, Ou Quem É Sylvia?, parece ser o amor animal, o impetuoso instinto amoral a afectivo que sentimos por outros.
Uma excelente comédia negra e um ícone cómico do realismo americano, ganhou e foi nomeada para diversos prémios. Em Portugal foi dirigida por Álvaro Correia, na Comuna – Teatro de Pesquisa, em 2004 e o texto traduzido está publicado nos Livrinhos de Teatro, da Cotovia/ Artistas Unidos.

«STEVIE - Sylvia? Quem é a Sylvia?
MARTIN - É uma cabra. A Sylvia é uma cabra! (O tom exagerado é abandonado; agora num tom normal; sério, neutro) É uma cabra.
STEVIE - (Pausa longa; olha fixamente para ele; finalmente sorri, dá uma risadinha, dá uma gargalhada, dirige-se ao hall; fala num tom normal) És demais! (Sai.)
MARTIN - Sou? (Encolhe os ombros. Para si próprio:) Tentamos contar-lhes; tentamos ser honestos. E o que é que elas fazem? Riem-se de nós. (Imitação.) «És demais!» (Pensa na frase.) Devo ser.»


Texto: Edward Albee
Tradução: Luís Fonseca
Direcção: Filipe Abreu e Leonardo Garibaldi de Sá
Elenco: Bruno Bernardo, Miguel Maia, Paulo Pinto e Rita Loureiro
Gravação de Som: Felix Brückelmann
Desenhos: Catarina Rodrigues
Design Gráfico: Patrícia de Deus
Fotografia: Sónia Godinho Photography
Uma co-produção: Inquietarte e Companhia Cepa Torta